Reconhecer o erro é o primeiro passo para a sabedoria


Marisa Fonseca Diniz



Quem já não passou por uma situação de estresse e acabou falando o que não devia a alguém? Não tem como negar que muitas vezes erramos com as pessoas que admiramos, sejam elas nossos colegas de trabalho, nossos amigos, familiares ou até mesmo um conhecido. A correria do dia-a-dia nos torna muitas vezes indiferentes as situações que nos cercam fazendo com que não enxerguemos nas entrelinhas do tempo que pequenas gentilezas fazem toda a diferença na vida das pessoas.

Não temos o poder de adivinhar os problemas pelos quais as pessoas passam diariamente, mas podemos sim, ter atitudes positivas que torne tudo muito mais leve. Eu confesso que já errei muito com as pessoas, por achar que os meus problemas fossem maiores do que tudo, e no final quem perdeu fui eu. Se no momento eu estivesse mais descansada e menos estressada não teria sido rude com as pessoas que gosto.

Infelizmente, algumas vezes também já fui mal interpretada, não apenas por palavras ditas e sim por palavras escritas. A arte de escrever muitas vezes confunde as pessoas, que não conseguem discernir fatos corriqueiros de imaginações. Os escritores em geral lêem muito, além de serem ótimos observadores. A inspiração para escrever pode vir de várias maneiras seja de fatos da vida, experiências ou apenas uma simples frase jogada ao ar.

Não têm como negar a maioria dos escritores é movido pela emoção, mesmo os que escrevem artigos técnicos ou de opinião, e é justamente esta característica que faz com que cada um seja diferente do outro. Porém, não somos deuses, não estamos acima de ninguém, somos feitos de carne e osso e também temos problemas, seja financeiro, saúde, cansaço físico ou mental.
Alguns superam com medicação, outros precisam se isolar de tudo e todos, e outros precisam se desligar de tudo para se sentirem mais tranqüilos. A inspiração é a matéria-prima do escritor e sem ela é impossível escrever. 

Quando a inspiração não aparece passamos horas, dias e até mesmo meses procurando maneiras de encontrá-la, e essa incessante busca pode gerar estresse mental fazendo com que as palavras pulem para fora da boca e saiam fazendo grandes estragos mundo a fora.

Há várias maneiras de descobrir como está o humor de uma pessoa que usa as palavras como meio de expressão, basta ler seus artigos ou poemas, e verá que há momentos em que o escritor expressa suas angustias, euforias, tristezas e felicidade, mesmo aqueles que escrevem apenas opinião. 

Pequenos detalhes fazem toda a diferença, a maior vingança de um escritor é escrever tudo aquilo que está engasgado na garganta, mas não de maneira direta, não isso seria antiético, e sim de maneira sutil.

O emocional breca a vontade de sair escrevendo além do conveniente, talvez seja por isso que quando abrimos nossa boca e falamos tudo o que sufoca, acabamos sendo mal interpretado pelas pessoas, o erro é achar que somos imunes aos problemas que nos circundam. Por isso, que quando erramos com alguém da mesma maneira que fazem conosco, deixamos o tempo passar depois do episódio, e ficamos dias, meses e até anos pensando em nossas atitudes.

Pensar, repensar, mas não deixar que isso nos corroa por dentro, sumir por um tempo para digerir melhor os erros e tirar deles aprendizados que levamos para o resto da vida. Depois de muita meditação sabemos qual a melhor atitude a ser tomada, pois nem todas as pessoas que cruzam o nosso caminho merecem nossa atenção. Algumas pessoas cruzam o nosso caminho e deixam um rastro de destruição, e essas realmente não queremos mais por perto. Mas, há aquelas que são especiais, que deixamos ir embora mesmo sabendo que as palavras duras fizeram marcas irreparáveis.

O melhor a fazer nestas situações é pedir “perdão” pelos erros passados, mesmo que nunca mais voltaremos a falar com a pessoa. Quando assumimos nossos erros, evoluímos como pessoa, e é através desta atitude que amadurecemos como seres humanos. Ser humilde e reconhecer que falhamos com aqueles que amamos esse é o primeiro passo para a sabedoria.

O que você tem feito para evoluir como ser humano? Tem guardado suas mágoas e ignorado tudo aquilo que o faz mal?  Gentileza gera gentileza, muitas vezes perdoar é a melhor maneira de demonstrar que você é uma pessoa diferente, e isso não tem nada a ver com diferenças religiosas, raça, nacionalidade, opções ou diferenças de pensamento, mas tem a ver com sabedoria.

Saiba dar perdão a quem assume os erros que comete e saiba que a vida agradece e retorna tudo aquilo que você mais almeja, mesmo quando você não quer nem mais contato com quem tanto te ofendeu ou humilhou. Libere perdão e seja feliz!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Reconhecer o erro é o primeiro passo para a sabedoria de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Nenhum comentário:

Postar um comentário