Corra que o doido vem ai...


Marisa Fonseca Diniz



Quem já não teve a experiência desagradável de ter uma pessoa desequilibrada perseguindo, não sabe o que é viver altas aventuras na arte de se safar da encrenca, ora, o que há de mais corriqueiro atualmente no mundo é gente perturbada a procura de alguém que as entenda, invés de procurar ajuda profissional e se tratar no consultório psiquiatra.

Esse negócio de dizer que de doido todo mundo tem um pouco, só serve para quem perdeu o juízo faz tempo e nem sabe onde colocou. A vida de certas pessoas é uma constante aventura fora de contexto, pessoas que se acham totalmente resolvidas são as que mais chamam atenção no quesito loucura.

Mulheres e homens carentes têm características fora do comum, já viu gente esfomeada ir ao supermercado? Pois é, elas compram de tudo menos o necessário, porque a fome é tanta que qualquer porcaria serve. Assim são as pessoas carentes, porque no auge do desespero qualquer lixo que aparecer no caminho serve, e numa dessas sempre aparece um doido. Difícil mesmo é se livrar da encrenca depois que se descobre que a pessoa é sem noção.

Pessoas perturbadas não conseguem enxergar o estrago que causam a elas mesmas e aos outros, pois como todo bom stalker perseguir é arte da falta do que fazer, principalmente se o perturbado em questão vive à toa na vida ou tem tempo de sobra para ficar pesquisando tudo da vida da sua vítima predileta.

Engana-se quem acha que só as mulheres estão vulneráveis a este tipo de gente totalmente perturbada, homens também podem ser o alvo de um stalker do sexo feminino ou masculino, ou seja, ninguém escapa. Imagina estar de boa na lagoa conversando com alguém na internet e aparecer um garotão sexy para conversar e então achar que ganhou o dia?

Cuidado, porque nada que aparece ser fácil de fato é coisa boa, pode ser só uma pegadinha de mau gosto. Em geral, os stalkers são pessoas que se escondem atrás de uma tela do computador para perseguirem suas vítimas de forma insistente e obsessiva.  A perseguição persistente faz com que a vida da vítima vire um inferno e só param quando deslocam o foco para outra vítima que acreditam ser mais interessante.

Imagina ser vigiado constantemente dentro das redes sociais por alguém que supostamente acredita que a vítima é a pessoa perfeita para ter um relacionamento duradouro sem nem ao menos ter conhecido pessoalmente? 
Absurdo, mas é justamente isso que o stalker faz, persegue, inferniza e não se importa se sua vítima tem um compromisso firmado com outra pessoa, é como se fosse um chiclete indesejável grudado no seu pé sem ao menos saber quem é na realidade.

Portanto, se você já foi vítima de uma pessoa dessas sabe bem o caos que provocam, senão, se proteja de todas as maneiras e não abra sua vida pessoal ou profissional para nenhum desconhecido. Os stalkers sofrem de um amor obsessivo, um distúrbio psíquico que parte da ideia delirante e irremovível de que é amado pela sua vítima (objeto de desejo), mesmo com todas as evidências de ser ignorado pela vítima.

Todo cuidado é pouco, portanto preserve sua intimidade pessoal sem abrir sobre sua vida a nenhum desconhecido, seja virtual ou pessoal, mantenha distância de pessoas que sejam grudentas, pegajosas, obsessivas, pois no fundo possuem baixa autoestima e não conseguem perceber o mal que possam fazer aos outros!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Corra que o doido vem ai... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.








Nenhum comentário:

Postar um comentário