Ucrânia, o celeiro da Europa

Edição Especial

Marisa Fonseca Diniz


A Ucrânia está localizada na Europa Oriental fazendo fronteira a leste e nordeste com a Federação Russa, a noroeste com a Bielorrússia, a oeste com a Polônia, Eslováquia e Hungria, a sudoeste com a Romênia e Moldávia e ao sul e sudeste com o Mar Negro e o Mar Azov. A Ucrânia possui aproximadamente 43 milhões de habitantes distribuídos em 603.628 km² de extensão, o idioma oficial é a língua ucraniana, e a capital do país é Kiev.


O país é considerado o celeiro da Europa, o solo é rico em húmus conhecido como chermozem  com grande teor ou concentração de CaCOj  - carbonato de caldum (CaCO3) pulverizado ideal para cultivos agrícolas de centeio, beterraba açucareira, algodão, girassol, batatas, legumes, aveia, trigo sarraceno, painço, frutas e hortaliças. Além da composição solo, outro fator que influência as boas safras do país são o clima temperado continental na maior parte do território ucraniano. O inverno é frio no interior e quente na região sul do país.


O setor de manufatura é bem desenvolvido no país principalmente o setor equipamentos aeronáuticos, indústrias de equipamentos, e indústrias metalúrgicas produtoras de aço e ferro em grandes quantidades. A Ucrânia é rica em jazidas de manganês em Donbas, região centro industrial do país, sendo um dos principais complexos mineiro-metalúrgicos e indústria pesada da Europa. A Ucrânia também produz gás natural e possui grandes reservas de petróleo,  tendo uma economia promissora com PIB de 93,27 bilhões de dólares em 2016.


Em contrapartida, a infraestrutura do país ainda é da época da União Soviética com baixa qualidade para os padrões de excelência européia, principalmente a malha rodoviária.


O transporte ferroviário do país conecta as áreas urbanas e é o responsável pelo transporte de cargas, a malha ferroviária é de 22.473 quilômetros, sendo apenas 9.250 km de linha eletrificada. O alto consumo energético do país, ainda é o principal entreve, pois a geração de energia ainda está restrita a usinas nucleares, apenas 45% é de origem térmica e 8% hidrelétricas.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Ucrânia, o celeiro da Europa de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2017/09/ucrania-o-celeiro-da-europa.html.


Irlanda, a Ilha Esmeralda do Oceano Atlântico


Edição Especial

Marisa Fonseca Diniz


A Irlanda é considerada a terceira maior ilha do Continente Europeu localizada no Oceano Atlântico. A Irlanda é dividida entre Irlanda do Norte pertencente ao Reino Unido e a República da Irlanda, que é um Estado soberano.

A Irlanda é um país desenvolvido, tendo o 13º maior Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, além de ótimas classificações que medem o grau de democracia e liberdade de imprensa. Dublin é a capital da Irlanda, e a população do país é estimada em aproximadamente 4,8 milhões de habitantes espalhadas 70.273 km2 , os idiomas oficiais são o inglês e o irlandês.


A Irlanda do Norte faz parte do Reino Unido e a sua capital é Balfast. Durante anos, a Irlanda do Norte foi palco de um conflito de grande violência, que causou grande perda de vidas durante a segunda metade do século XX. O conflito tratava-se de discórdias entre os protestantes e católicos do país, onde a maioria protestante era favorável em preservar os laços com a Grã-Bretanha e os católicos por sua vez eram favoráveis a independência, além da integração da província com a República da Irlanda. Protestantes e católicos recorreram às armas e com isso várias foram as vítimas do conflito que só cessou com a assinatura do Acordo de Belfast em 10 de abril de 1998, quando foram estabelecidas as bases de um novo governo em que tanto católicos como protestantes poderiam compartilhas o poder.


A Irlanda é conhecida como a Ilha Esmeralda devido à predominância de vegetação verde em quase todo o território, a costa ocidental consiste principalmente de arribas, colinas e montanhas. O interior do país é composto por terras agrícolas relativamente planas, atravessadas por rios e lagos.

A Irlanda é um país de tradição esportiva, sendo o futebol gaélico, o hurling e o rugby os principais esportes praticados no país. O futebol gaélico é o esporte mais popular da Irlanda, que é uma mistura de futebol de campo, futebol americano, rugby e handebol.


O futebol gaélico é jogado em um gramado retangular de 130 m de cumprimento e 80 m de largura com 15 jogadores, um goleiro, seis defensores, dois meio-campistas e seis atacantes, em cada um dos dois times que conduzem a bola com chutes e soco. O objetivo é marcar gols em traves no formato H, que ficam ao final do campo. O interessante é que a partida é acompanhada por oitos árbitros e cada gol vale três pontos.

A bola tem formato redondo, um pouco mais pesado que o futebol tradicional e com aparência similar à do vôlei, porém com costuras horizontais. A bola pode ser chutada, passada com a mão ou com golpes de punho fechado.

O hurling é um esporte de origem celta semelhante ao hóquei, que se joga da seguinte maneira: duas equipes compostas por 15 jogadores cada que com a ajuda de tacos tentam com a bola acertar a baliza contrária. A bola é do tamanho da bola de tênis e o campo possui 120 a 146 m de comprimento por 75 a 91 m de largura.  A baliza é formato de H como a do rugby, porém na parte inferior há uma rede. As medidas da baliza são de 6,40 X 2,44 m e a altura dos postes são de 4,88 m.


 O gol consegue-se quando a bola ultrapassa a linha sob a trave da baliza, valendo então três pontos, quando a bola passa pela parte superior, entre os postes, vale apenas um ponto.

O rugby pode ser jogado tanto por homens como por mulheres e apresenta grandes semelhanças com o futebol de campo. A bola do rugby é oval, e normalmente as equipes de rugby apresentam 15 jogadores em cada time e 7 jogadores de reserva. O objetivo principal do jogo é a marcação de pontos, que consiste em levar a bola ate determinada párea do campo adversário, atrás da chamada linha do gol, e tocá-la no chão.


As posições do rugby se dividem entre as linhas avançadas e as linhas atrasadas. Os primeiros são numerados de 1 a 8 e os segundos de 9 a 15, a saber:

Pilar fechado (Loosehead)

Talonador (Hooker)

Pilar aberto (Tighthead)

Segunda linha (Second row)

Asa cego (Blindside flanker)

Asa aberto (Openside flanker)

Oitavo (Number 8)

Meio scrum (Scrum half)

Abertura (Fly-half)

Ponta esquerdo (Left wing)

Primeiro centro (Inside centre)

Segundo centro (Outside centres)

Ponta direito (Right wing)

Zagueiro (Fullback)


As regras do rugby são as seguintes:

Cada partida de rugby tem duração de 80 minutos divididos em dois tempos de 40 minutos. No jogo de rugby há três ou quatro árbitros. Entretanto, cabe apenas um conduzir o jogo.

Só é permitido passar a bola com as mãos para os lados ou para trás, para conduzir a bola para frente, os jogadores devem usar os pés.

É permitido agarrar o jogador que tem a posse da bola para roubá-la, este golpe é chamado tackle, é permitido também que dois ou mais jogadores se unam para bloquear o jogador adversário que tenha a posse da bola e tomá-la, essa tática é chamada de maul.

As formas de cobrar penalidades são: o punt, que consiste em um chute para frente, o scrum, que consiste no confronto entre os jogadores de ambas as linhas avançadas, o run, que consiste na corrida com a bola, e o pênalti.

No rugby, existem dois tipos de cartões: o amarelo, que expulsa o jogador por 10 minutos, e o vermelho, que expulsa o jogador definitivamente da partida.

A equipe vencedora é aquela que conseguir marcar mais pontos.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Irlanda, a Ilha Esmeralda do Oceano Atlântico de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://marisadiniz.wordpress.com/dk-negocios/.




A tradicional cultura indiana das pinturas corporais

Edição Especial

Marisa Fonseca Diniz


Índia ou República da Índia é um país da Ásia Meridional que faz fronteira ao sul com o Oceano Índico, a oeste com o mar da Arábia, o Paquistão, a leste com a Baía de Bengala, Bangladesh e Mianmar, e ao norte com a República Popular da China, Nepal e Butão. O país é o mais populoso após a China e o sétimo maior em extensão territorial. O idioma oficial é o híndi e o inglês, porém a Constituição da Índia reconhece mais vinte e duas línguas oficiais faladas em seus 28 estados e nos sete territórios pertencentes a união, que são as seguintes: assamês, bengali, bodo, dogri, gujaráti, híndi, canará, caxemira, concani, maitíli, malaiala, manipuri, marata, nepalês, oriá, punjabi, sânscrito, santali, sindi, tâmil, télugo e urdu.

A história cultural da Índia se estende por mais de 4.500 anos, as crenças e suas práticas foram consolidadas a partir do período védico que misturava fundamentos da filosofia, mitologia e literatura hindu. A diversidade religiosa do país é notável, hinduísmo, dharma, karma, sikhismo, islamismo, jainismo e cristianismo são as principais, porém o hinduísmo é a religião predominante.
O sincretismo e o pluralismo marcam a cultura do país, o sistema de castas descreve as restrições na sociedade tradicional, onde as castas mais baixas estão segregadas a perseguição e a discriminação. O casamento é arranjado, as mulheres indianas casam-se antes dos dezoito anos de idade, ainda meninas, e com homens muito mais velhos em troca de dote (dinheiro) principalmente as famílias mais pobres. O matrimônio é uma imposição para toda a vida, sendo a taxa de divórcio extremamente baixa.



As práticas religiosas fazem parte da vida cotidiana, as roupas tradicionais variam de acordo com as cores e estilos da região, que podem incluir o sári para mulheres e o dhoti para homens, além de jóias e pinturas corporais.


As pinturas corporais ou tatuagens de henna são conhecidas como mehndi. Mendhi é derivado da palavra sânscrita mendhikã, o uso de mendhi  é descrito nos primeiros livros védicos hindus, onde inicialmente era usado apenas nas palmas das mãos das mulheres, que são uma representação simbólica do sol. Os costumes védicos estão centrados na ideia de despertar a luz interior. Os desenhos indianos tradicionais são representações do sol na palma da mão.

Há diversas variações dos desenhos mehndi podendo ser indianos ou paquistaneses, porém as mulheres também utilizam padrões de design de henna nas mãos e nos pés. Mendhi é uma forma de arte antiga usada por duas culturas indianas e palestinas que criam desenhos que se assemelham a luva e chinelos. Os desenhos são aplicados na pele com uma pasta grossa feita a partir das folhas da henna que são utilizadas em culturas do deserto em todo Oriente Médio, África, Índia e Egito há milhares de anos. A henna é utilizada por várias razões, tais como: auto-expressão, casamentos, feriados, celebrações especiais, aniversários, inspiração, lembretes, beleza, usos medicinais, entre outros, sendo parte de uma antiga tradição.


Henna é uma planta que contém leisone, um corante avermelhado que se liga a queratina em contato com a pele e deixa uma mancha segura, que pode ser laranja pálida a quase preta, dependendo da qualidade da henna. Uma boa henna fresca de climas quentes e secos mancha fica mais escura.

A mancha marrom avermelhada é usada para decorar a pele das mãos e dos pés, mas também pode ser utilizada para colorir unhas, roupas e cabelos. Aprenda a fazer henna em casa e a modelar mãos e pés, basta acessar este link.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho A tradicional cultura indiana das pinturas corporais de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2017/09/a-tradicional-cultura-indiana-das.html.

Je t'aime France


Edição Especial

Marisa Fonseca Diniz


França ou República Francesa é o maior país da União Européia com 643.801 km² de extensão territorial e um pouco mais do que 65 034 256 habitantes. O país faz fronteira com o Mar Mediterrâneo, o Oceano Atlântico, a oeste com a Baia de Biscaia, ao norte com o Canal da Mancha e o Mar do Norte, a sudoeste com a Espanha, a noroeste com a Bélgica, Alemanha e Luxemburgo, ao leste com a Suíça e a sudeste com a Itália. O idioma oficial do país é o francês.


O país possui uma paisagem diversificada com regiões montanhosas, Pirineus e Alpes, sendo o ponto mais elevado o Mont Blanc com 4.808 m; a leste e ao sul planícies, e colinas ao norte e a oeste. O clima no país ao norte e noroeste é temperado, nas regiões oeste o clima é oceânico com elevado nível pluviométrico com verões quentes e invernos suaves.

As três cidades mais populosas da França são Paris, Marselha e Lyon. A cidade de Paris é a capital da França e está localizada sobre a bacia do Sena, onde estão situadas as duas ilhas nas quais constituem o centro histórico da cidade, a île de la Cité ao oeste e a île Saint-Louis ao leste. O rio Sena corta a cidade de Paris formando um arco entrando pelo sudeste e saindo pelo sudoeste. O curso fluvial pode ser atravessado por mais de 30 pontes.


A famosa Pont des Arts ou Passerelle dês Arts sobre o rio Sena é uma ponte pedonal que liga o Institut de France e a praça central do Palais Du Louvre foi construída em 1804 durante o regime de Napoleão Bonaparte, a ponte é conhecida pela antiga tradição dos cadeados do amor que surgiu em torno de 2008, porém em 2014 o peso dos cadeados fez com que uma secção da balaustrada cedesse colocando em risco a segurança da ponte e dos pedestres.

A partir de junho de 2015, a ponte foi fechada ao público e todos os cadeados foram retirados. Em maio deste ano, 2017 todos os cadeados foram leiloados em prol aos refugiados. Os organizadores do leilão dos cadeados do amor esperavam arrecadar entre 100 mil a 150 mil euros os 165 lotes, muitos com cadeados em formato de coração, mini Torre Eiffel e com várias mensagens em diferentes idiomas.

Paris é uma cidade com diversos pontos turísticos, ao longo do rio Sena é possível conhecer a Catedral de Notre Dame uma das mais antigas catedrais francesas em estilo gótico. A construção foi iniciada em 1.163 finalizada em 1.245 e foi dedicada a Maria, mãe de Jesus Cristo, localizada na Praça Paris na pequena ilha de Île de la Cité.


A arquitetura gótica da Catedral de Notre Dame possui duas torres de 69 metros em sua fachada. É possível acessar a parte superior das torres e apreciar a vista da cidade, além de poder visitar o campanário onde viveu o famoso Corcunda de Notre Dame e ver de perto as gárgulas. Sob a catedral jaz outra camada sinistra, mais de 79 metros abaixo da catedral encontra-se a Cripta Arqueológica com fascinantes objetos galo-romanos, antigos resquícios da casa de Lutèce, nome dado a cidade de Paris na era romana.


Conciergerie é outro ponto turístico da cidade de Paris, Palácio da Justiça, mas que entre os séculos X e XIV foi o Palácio da Cidade, o edifício estende-se pelo Cais do Relógio, sobre a Ilha de la Cité, que em 1932 foi convertido em prisão do Estado após o abandono do palácio por Carlos V e seus sucessores.

Musée de l'Orangerie é uma galeria impressionista e pós-impressionista localizada na Place de la Concorde em Paris, o museu expõe obras de Paul Cézanne, Henri Matisse, Amedeo Modigliani, Claude Monet, Pablo Picasso, Pierre-Auguste Renoir, Henri Rousseau, Chaim Soutine, Alfred Sisley e Maurice Utrillo entre outros. É um passeio cultural que não deve ser deixado de lado.


A Torre Eiffel é considerada um símbolo da cidade parisiense é uma obra do século XIX feita em ferro, sendo o monumento mais visitado e alto da cidade com 324 metros. A Torre Eiffel é um projeto do engenheiro Gustave Eiffel e foi concluída em 1930. Localizada em Champ de Mars, a torre possui três níveis, que podem ser visitadas pelos turistas por meio das escadas ou elevadores do primeiro ou segundo nível. O terceiro nível é o mais alto e só é acessível de elevador. A vista do alto da torre é maravilhosa tendo uma visão ampla de toda a cidade.


O Arco do Triunfo é um monumento construído em 1806 na cidade de Paris em homenagem as vitórias militares de Napoleão Bonaparte. O monumento foi inaugurado em 1836 e contém gravado o nome das 128 batalhas e de 558 generais. Na base encontra-se o túmulo do soldado desconhecido, o arco está localizado na Praça Charles de Gaulle no encontro da avenida Champs-Élysées.


O Palácio do Louvre é outro local a ser conhecido por ser não apenas um antigo palácio real da França, e sim porque atualmente é o Museu do Louvre, um dos mais ricos e famosos museus de arte do mundo. Localizado as margens do rio Sena fica entre os Jardins das Tulheiras e a Igreja de São Germano de Auxerre.

Diversos são os lugares turísticos da cidade, tal como o Jardim de Luxemburgo que é um parque público com mais de 224 mil m2 localizado no Palácio de Luxemburgo. O jardim possui um enorme parterre decorado com uma coleção de estátuas e também com pequenos lagos, além de ter um pequeno teatro de fantoches, um pomar e um restaurante.

Maria de Médicis, viúva do então Henrique IV, em 1611 decidiu construir uma réplica do Palácio Pitti, no ano seguinte Maria ordenou o plantio de 2 mil ulmeiros e contratou especialistas em jardinagem a fim de recriar os jardins de Florença.


Marselha é a segunda cidade mais populosa e mais antiga da França, localizada na província de Provença na costa do Mediterrâneo é o maior porto comercial do país. A cidade é a capital admnistrativa da região de Provence Alpes Côte d’Azur, e foi povoada pelos gregos no século VII a.C. que passou para o domínio romano em 49 a.C.


A basílica católica Notre Dame de La Garde é o símbolo mais conhecido da cidade de Marselha foi construída pelo arquiteto Henri-Jacques Espérandieu e está localizada no ponto mais alto da cidade, um afloramento calcário de 149m no lado sul do Porto Velho de Marselha.


Marselha é uma cidade litorânea, que possui lugares turísticos que valem a pena visitar como é o caso do MuCem  inaugurado em junho de 2013 e é um museu que expõe obras de antropologia, história, arqueologia e artes sob um olhar cultural, social, político e científico sobre a diversidade das civilizações que construíram o mundo mediterrâneo da pré-história aos dias atuais.


O Castelo de If é um outro local que deve ser visitado, pois é rico em história localizado na Ilha de If, que integra o Arquipélago do Frioul na baía de Marselha. O castelo foi transformado em prisão do Estado a partir do século XVII e desativado dois séculos mais tarde.

O imperador romano Cláudio nasceu na cidade de Lyon, a terceira maior cidade da França, importante pólo industrial e estudantil com diversas universidades. Fundada em 43 a.C. por Munatius Plancus como uma colônia romana sobre a colina Fouvière, a cidade estende-se ao longo da margem esquerda do rio Ródano em direção ao rio Dauphiné, uma planície urbanizada segundo um plano ortogonal nos bairros de Brotteaux e Part-Dieu.


A Catedral de Lyon ou simplesmente Catedral Saint Jean é a sede episcopal da Arquidiocese de Lyon, localizada no coração do bairro medieval e renascentista Vieux Lyon. Na Idade Média era parte do complexo de igrejas e outros edifícios religiosos, que incçuía as igrejas Saint-Étienne e Sainte-Croix destruídas durante a Revolução Francesa.


A Europa é um continente histórico e cultural, e a França não faz feio nesse quesito. O Musée dês Beaux Arts de Lyon – Museu das Belas Artes de Lyon localizado no centro artístico da cidade de Lyon possui diversas peças desde a antiguidade egípcia até as exibições pós-modernas. O museu é um antigo convento datado dos anos 1600, dividido em cinco departamentos principais com diversas obras, sendo antiguidades, objetos de arte, medalhas e moedas, coleções, esculturas e pinturas do século XIII ao XX.


O Museu das Confluências é outro local que vale visitar, o local é uma estrutura vistosa e futurista feita em vidro, concreto e aço e situa-se na confluência dos rios Rhône e Saône. O museu conta sobre a evolução das espécies com mais de dois milhões de peças coletadas a partir do século XVI até a atualidade são peças relacionadas à paleontologia, mineralogia, zoologia, entomologia e etnografia. 

Lyon também é uma cidade com diversos cafés, que vale a pena conhecer, tais como:


La Boite a Café Mokxa conhecido como um dos melhores cafés da cidade de Lyon é localizado em La Croix-Rousse e oferece uma variedade de diferentes métodos de preparação do café, além de lanches e doces.


Slika é uma cafeteria com o conceito de galeria de arte, pois exibe diversas obras de artistas com tendências de grafite e espírito urbano com uma variedade de técnicas e estilos. A cafeteria tem um ambiente perfeito para ler um bom livro e relaxar ou simplesmente conversar com os amigos.


La Bicycletterie considerada uma das melhores cafeterias da cidade de Lyon, além de oferecer um delicioso café também trabalha como loja de bicicletas, o local oferece diversos tipos de café, quente ou frio, além de saladas, sopas, sanduíches e bolos.

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.