Os extremos do Planeta Terra



Marisa Fonseca Diniz


A Terra possui diversos pontos extremos onde as condições ambientais seriam desfavoráveis para a presença de seres vivos, mas por incrível que pareça alguns seres conseguem se adaptar as mais diversas condições, quanto à temperatura, umidade, salinidade, entre outros.

Os seres vivos que conseguem viver em ambientes extremos são conhecidos como extremófilos, ou seja, são organismos que sobrevivem em condições geoquímicas extremas conhecidas como micróbios.




O lugar mais úmido do Planeta é Mawsynram, na India, onde a média pluviométrica é de 11.873 mm. O clima é subtropical de monções e raramente fica realmente quente devido à vila ficar em alta atitude. As temperaturas médias mensais variam cerca de 11º C em janeiro e 20º C em agosto. De dezembro a fevereiro o clima é mais seco e as precipitações chuvosas não ultrapassam a 30 mm.

As temperaturas mais baixas da Terra estão a Antártida, a temperatura média é inferior a – 20º C e devido as fortes correntes os ventos gelados aumentam a sensação de frio. A sobrevivência nesta região só é possível porque os animais que lá habitam possuem grossa camada de gordura, tais como as focas e os pinguins que se mantém agrupados para esquentar.


Na Antártida, o enraizamento de plantas é difícil devido o excesso de gelo, portanto é comum encontrar liquens, musgos e algas.


O lugar mais seco do planeta é o Deserto do Atacama no Chile com apenas 0,1 ml de chuva por ano em média. As temperaturas são muito elevadas durante o dia podendo chegar a 45º C e a noite é muito baixa – 10ºC, a cada 15 anos chove na região, porém em algumas mais afastadas do interior não cai sequer uma gota.


Os seres que vivem na região possuem hábitos noturnos, pois durante o dia podem pegar uma insolação. As plantas em geral cactos e suas variações são as que mais se adaptam as temperaturas da região.


A Fossa das Marianas fica localizada no Oceano Pacifico é o lugar mais profundo do planeta com 11.034 m de profundidade, geologicamente é o resultado geomorfológico de uma zona de subducção, ou seja, é uma área de convergência de placas tectônicas na qual uma das placas desliza para debaixo da outra.


Em 1960, os exploradores Jacques Piccard e Do Walsh atingiram 10.912 m a bordo do submarino Trieste. A pressão é 1.100 vezes maior do que ao nível do mar, onde apenas pepinos do mar, mini crustáceos e bactérias conseguem sobreviver, o único ermitão das profundezas descoberto até hoje é o peixe Abyssobrotula galatheae visto no Oceano Atlântico a 8.370 metros.


Caverna Voronya é a mais profunda do mundo com 2.080 metros de profundidade, sendo que sua entrada fica a 2.240 metros de altitude e a 15 km  do Mar Negro.Está localizada o Maciço Arabika na república independente da Geórgia a região do Cáucaso.




Em agosto de 2010, uma expedição espanhola-russa encontrou quatro novos tipos de artrópodes, ou seja, animais invertebrados que possuem o corpo com partes articuladas como as patas ou pernas. Dois dos artrópodes encontrados estavam na parte mais profunda, sendo uma profundidade superior a 1.980 m, os outros três foram encontrados em profundidades rasas.

Estes são apenas alguns lugares curiosos e extremos do Planeta Terra, com certeza há tantos outros ainda que não foram ainda descobertos.



Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.



Licença Creative Commons
O trabalho Os extremos do Planeta Terra de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2018/04/os-extremos-do-planeta-terra.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário