O que há por trás da ditadura da beleza?


Marisa Fonseca Diniz


Muitas pessoas ainda não se deram conta do quanto a sociedade é cruel em ditar modismo, o culto a beleza vem desde os tempos da antiguidade, e nos dias atuais nada mudou. As pessoas são vistas como vitrines e não por seu caráter ou intelecto.

O padrão tanto de homens como mulheres sempre foi do corpo com curvas ou músculos a mostra, mas da década de 90 para cá o extremo se faz presente, ou seja, a magreza excessiva. O que poucas pessoas sabem é que os padrões estabelecidos pela sociedade estão diretamente ligados ao mercado consumidor.


Antigamente, o padrão de beleza era das mulheres mais cheinhas e com curvas, que representavam saúde, porém após a globalização o padrão mudou radicalmente, não por questões de saúde, e sim para impulsionar alguns tipos de mercados que estavam com baixa rentabilidade como o de cosméticos, vestuário, remédios, alimentos e cirurgias plásticas.


A magreza excessiva proporcionou um padrão não aceitável para a maioria das pessoas, porém para a mídia os negócios tiveram uma significativa evolução financeira. As indústrias de cosméticos lançaram diversos produtos colocando em suas propagandas meninas estilo cabide, nada de frente e nada de costas, ofuscando a beleza e exaltando os produtos, e de fato conseguiram, as mulheres sem perceber foram se tornando cada vez mais magras, o que fez com que muitas delas, todas as idades, buscassem a qualquer custo este novo padrão de beleza.

As confecções também foram favorecidas com este novo estilo de beleza, os manequins caíram de 44, 42 e 40 dando lugar aos tamanhos 38, 36 e 34, menos tecido, maior produtividade, valores mais altos para quem não estivesse dentro do padrão proposto, mulher magérrima, com a falsa ilusão de que o problema está no corpo e não nos modelitos.


A quantidade de peças produzidas mais que dobrou, o tecido gasto em um tamanho 44 era quase que o dobro de um tamanho 34, a moda ficou mais sofisticada e novas garotas propagandas surgiram no mundo da moda. A graciosidade das antigas modelos com corpão e curvas sumiu dando lugar as meninas de 12, 14, 16 e 18 anos com IMC muito abaixo do normal, quem lucrou foram os estilistas, menos pano, coleções mais extravagantes e meninas ofuscadas atrás da ganância em ganhar mais por menos.

A ditadura da moda não para por aí, técnicas mais avançadas de cirurgia plástica e promessas mirabolantes de se conseguir o corpo perfeito em clínicas se tornara possível, o menor esforço pelo melhor resultado, os insatisfeitos não poupam em gastar grandes quantias de dinheiro para ficar dentro do padrão determinado, porém aqueles que não têm condições em pagar por uma cirurgia modeladora se submetem a sacrifícios além do imaginável, e assim surgem os distúrbios alimentares e psicológicos. 


De antemão, aqueles que não têm coragem de se submeter a cirurgias modeladoras, buscam academias e spas com promessas de conseguirem o corpo perfeito se deixando influenciar pela mídia de tal maneira que perdem o senso do que é excesso, e do que é saúde. Dentre estes exageros surge em outra ponta os marombados de academia, que a todo custo querem deixar músculos e veias visíveis para que todos saibam que eles fazem parte da geração saúde, outro extremo, diga-se de passagem, excessos desnecessários que podem trazer diversos distúrbios e problemas psicológicos ao longo dos anos, e desta maneira proporcionam o crescimento do mercado fitness, suplementos alimentares e consumo de drogas.

A busca incessante pelo padrão perfeito da beleza tem demonstrado a quantidade de pessoas fragilizadas e com baixa auto-estima, permitindo que o mercado de negócios cresça cada dia mais a custa de uma maioria que não consegue perceber que são objetos de uso a favor de uma minoria, empresários sedentos por dinheiro.

Uma pessoa que necessita emagrecer porque tem uma doença ou porque está com sobrepeso e consequentemente isso acarreta uma série de problemas de saúde, sempre é aconselhável passar por consulta médica com especialistas que possam recomendar exercícios e dieta, porém o que está acontecendo atualmente é uma febre de dicas, receitas, coach que não condizem com a realidade e muito menos tem base científica para recomendar qualquer coisa.


Basta entrar na internet ou abrir uma revista de moda ou beleza para ver recomendações absurdas, pessoas seguindo dicas e dietas malucas do tipo alimentos sem glúten, dieta da lua, detox, entre outras, imagina uma pessoa acima do peso e que tome regularmente anticoagulante e decida seguir a dieta detox rica em vitamina K? Com certeza haverá uma redução no efeito do remédio, o suficiente para uma pessoa ter complicações e ir parar no hospital.

A falta de senso e a necessidade de impor padrões fora do normal têm levado as pessoas a fazerem loucuras para seguir a regra do que é ou não certo aos olhos da sociedade. O fato é que a mídia tem um grande poder de influência sobre as pessoas, principalmente aquelas que se deixam levar por qualquer tipo de propaganda enganosa, não importando a idade. Pior ainda quando as pessoas famosas exaltam o conceito de que a magreza excessiva ou o corpo sarado é o ideal. Não se esqueça que a maioria das pessoas que faz sucesso na mídia é contratada por empresas que comercializam produtos ditos “milagrosos”, e quanto mais elas exaltarem o produto, a dieta, a cirurgia ou a marca maior será o faturamento delas.

Tudo que é excesso faz mal a saúde, além de acarretar uma série de complicações. A magreza excessiva causa perda de cabelos, ausência de menstruação, erosão dentária, fragilidade nos ossos, perda de neurônios, problemas cardíacos, bulimia, anorexia, entre tantos outros problemas. Já o excesso de malhação pode causar dor crônica, edema, limitação de algumas funções da articulação, desregula ou cessa o ciclo menstrual, provoca osteoporose precoce, dá degradação muscular e lesões, o desespero em emagrecer causa diversos danos ao organismo, mas por outro lado enriquece os empresários que não medem esforços para aumentar a produção e os lucros.

Antes de ir atrás de modismos ou buscar desesperadamente o corpo perfeito, ame-se, mantenha em equilíbrio a auto-estima, e saiba que não é a embalagem que faz o produto ter qualidade, e sim o conteúdo, pois de nada adianta ter uma aparência maravilhosa se o cérebro está oco e a alma em frangalhos. 


Reflita e veja se não está colaborando para o enriquecimento de uma pequena parcela da sociedade em detrimento de outras, se magreza excessiva fosse saudável não haveria tantas pessoas no mundo morrendo de desnutrição!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho O que há por trás da ditadura da beleza? de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2017/05/o-que-ha-por-tras-da-ditadura-da-beleza.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário