Curtindo Mogi das Cruzes


Marisa Fonseca Diniz


Imagine um lugar próximo da maior cidade da América Latina, onde se pode aproveitar a natureza sem gastar quase nada? Não se espante, mas esta cidade existe sim, e é Mogi das Cruzes distante da cidade de São Paulo apenas, 62,3 km.

Mogi das Cruzes é um município da Região Metropolitana de São Paulo, Brasil, que possui aproximadamente 425.000 habitantes, sendo o maior e mais desenvolvido município da Região do Alto Tietê. A cidade faz parte do cinturão verde de São Paulo essencial à qualidade de vida dos habitantes ao redor dos grandes centros urbanos, imagine uma grande área verde composta por parques, chácaras, reservas ambientais, jardins e pomares? Assim é Mogi das Cruzes.


O acesso à cidade é muito fácil tanto de carro como de transporte público, sim, e o visitante pode ir de trem para ficar mais romântico e barato o passeio, é claro.

Fonte: CPTM


A passagem de trem custa R$ 3,80 enquanto que a de ônibus varia de R$ 7,50 a R$ 22,00 valores de referência em 2017. Não tem desculpa para não conhecer a cidade.

O clima da cidade é quente e temperado, no verão a temperatura média é de 20º C e no inverno 13ºC, sendo que a temperatura média anual fica em torno de 17º C. O verão não é muito quente, porém chuvoso e o inverno ameno e subseco. O clima agradável da cidade em qualquer época do ano faz com que o visitante possa aproveitar por inteiro os mais diversos pontos turísticos. Vamos conhecê-los?

As pessoas que gostam de aventura ao ar livre não podem deixar de conhecer:

Pico do Urubu: está a 1.400 m de altitude na Serra de Itapety sendo um local ideal aos amantes de vôo livre, tais como, parapente, paraglider e asa delta. No cume da montanha há uma rampa de 370 metros em relação ao marco zero da cidade, onde os ciclistas a utilizam para a descida radical, emocionante.


Do alto do Pico do Urubu é possível ver ao longe a Serra da Mantiqueira e ao fundo a Serra do Mar, pois o cume dá uma visão de 360º aos turistas e aventureiros da região. Coragem e adrenalina são os ingredientes básicos aos amantes de esportes radicais em busca de aventura em Mogi das Cruzes.

Parque das Neblinas: está localizado entre os municípios de Mogi das Cruzes e Bertioga, sendo uma reserva natural de 6100 hectares. O parque oferece trilhas como a do Mirante, onde é possível avistar o litoral de Bertioga e a encosta da Serra do Mar.


No Rio Itatinga é possível a prática da canoagem oferecendo dessa maneira uma beleza estonteante com pássaros, bromélias, palmito e orquídeas.

Cachoeira do Elefante: também conhecida como Cachoeira do Itapanhaú fica na Serra do Mar próximo a Rodovia Mogi-Bertioga, Km 86. O ideal é ir em grupo acompanhado por guias ou pessoas que conhecem muito bem as trilhas, pois para chegar a cachoeira o caminho é longo com subidas e descidas íngremes.

O começo da trilha principal começa a partir do Km 81 da Rodovia Mogi-Bertioga, e para quem quiser ir de ônibus até o local basta embarcar no circular Manoel Ferreira e descer no ponto final, km 77 junto a Balança, e seguir andando.


A trilha é perigosa em dias chuvosos, portanto aproveite os dias de sol e não perca a oportunidade de conhecer a cachoeira.

Pedreira de Sabaúna:


Para as pessoas que curtem rapel, tirolesa ou fazer caminhadas com certeza não podem deixar de ir à Pedreira de Sabaúna, que surgiu décadas atrás quando da construção da Estrada de Ferro Central do Brasil. A pedreira fornecia pedras para a construção da ferrovia, hoje está desativada, mas é um ótimo local para quem gosta de praticar esportes radicais.

Pedra do Lagarto: que tal pegar uma trilha e contemplar a natureza? A pé ou de bike a trilha que leva a Pedra do Lagarto vale a pena conhecer. Para chegar até lá pegue o trem e desça na última estação – Estudantes (linha 11 – Coral) siga pela via lateral, Rua Francisco Rodrigues Filho, do Terminal Rodoviário Geraldo Scavone passe pela rotatória e entre a segunda esquerda na Avenida Antonio de Almeida, siga direto até o início da Estrada Velha do Lambari para iniciar a trilha.


Não esqueça de que é necessário ter um bom condicionamento físico, caso contrário corre o risco de ficar pelo caminho. Siga até o fim da Estrada Velha do Lambari sempre em direção a serra subindo suavemente, apesar de a estrada ser precária e escorregadia vale à pena seguir adiante, não tem como se perder, a vista do alto da pedra é maravilhosa, valendo a pena qualquer esforço.

Àquelas pessoas que não gostam ou não tem preparo físico à prática de esportes radicais podem aproveitar o passeio até Mogi das Cruzes e conhecer outros pontos turísticos.

Casarão do Carmo: o casarão está localizado no Largo do Carmo no centro de Mogi das Cruzes, sendo uma construção do século XIX em estilo colonial feita em taipa de pilão e taipa de mão. O espaço abriga o Museu Visconde de Mauá e oferece diversas atividades culturais e artísticas.


O Casarão possui auditório para 45 pessoas que fica no prédio dos fundos e é utilizado para eventos, palestras, cursos, oficinas e lançamento de livros.

Catedral de Sant’Anna: conhecida também como Igreja Matriz localizada no centro histórico da cidade e é a sede da diocese de Mogi das Cruzes. A igreja é inspirada na arquitetura romana dos primeiros templos cristãos, a fachada é composta por um corpo central que corresponde à nave principal e é ladeada por duas torres.


Há um conjunto de três pórticos em arco que sobressai na formação do adro externo, e sob a torre fica localizado o batistério.

Marco Zero:


O monumento representa a origem da cidade e fica localizado na Praça Coronel Almeida em frente da Igreja Matriz da cidade.

Igreja do Carmo:


A igreja das ordens primeira e terceira do Carmo são datadas do fim do século XVIII e a arquitetura é em estilo barroco rococó.

Teatro Vasques:


Localizado no Largo do Carmo o teatro foi Inaugurado em dezembro de 1902, mas com o advento do cinema e o declínio dos espetáculos teatrais acabou se tornando entre 1936 e 1937 a sede da Câmara Municipal da cidade. A partir de 1980 o teatro foi reformado e reinaugurado como Teatro Municipal Paschoal Carlos Magno, porém somente após sua reforma em 2002 é que o local voltou a se chamar Theatro Vasques.

Mogi das Cruzes possui muitos outros pontos turísticos a serem conhecidos, além de um vasto patrimônio histórico e cultural. Há também o Hospital-Colônia distante a 13 km do centro da cidade, que guarda muitas histórias, não tão boas, mas que faz parte da história do Brasil.


O hospital Santo Ângelo está localizado em um bairro rural cercado por plantações de hortaliças e foi à moradia de muitos portadores de hanseníase – lepra – a partir de 1928. Como não havia cura para esta doença contagiosa, muitos portadores foram separados de suas famílias e isolados da sociedade vivendo em vilas no local.


A partir da década de 1980 com a descoberta da cura da hanseníase o hospital passou atender outras especialidades e atualmente recebe o nome de Hospital Dr. Arnaldo P. Cavalcante.

A cidade de Mogi das Cruzes possui uma economia diversificada, sendo a agricultura a principal atividade e o maior pólo produtor de hortaliças, cogumelos, caqui, orquídeas e nêsperas do Brasil. O pólo industrial da região possui mais de 890 empresas dos mais variados segmentos e o comércio possui mais de 7.200 estabelecimentos e emprega mais de 17.000 pessoas.

A cidade oferece também eventos, exposições, artesanato, espetáculos teatrais e festivais todos os anos, não deixe de conhecer.

Akmatsuri:


É uma festa que acontece na cidade no outono, quatro dias durante o mês de abril, celebrada pela colônia japonesa em agradecimento pela chegada da nova estação celebrando a boa colheita e compartilhando a cultura oriental.

Festa do Divino Espírito Santo:


A tradicional Festa do Divino Espírito Santo acontece todos os anos 50 dias após a Páscoa, une religiosidade com manifestações populares, onde há a mistura da cultura negra, indígena e portuguesa, a festa é composta também por procissões e comidas típicas.

Festival Furusato Matsuri:


O festival é realizado no mês de novembro no bairro do Cocuera  em Mogi das Cruzes, onde os agricultores expõem todos os cultivos da cidade.

Não deixe de conhecer Mogi das Cruzes, pois há diversas atrações para serem visitadas, radicais ou culturais, por um preço bem acessível principalmente àquelas pessoas que não dispensam um passeio de final de semana sem ter que fazer grandes viagens ou gastos para isso.

Veja as demais atrações da cidade:



O Parque Botyra Camorim Gatti, o Centro Esportivo Bunkyo, Parque da Cidade, Parque Centenário da Imigração Japonesa, Associação Nacional de Preservação Ferroviária, Gruta da Serra, Parque Leon Feffer, Fruticultura Hoçoya, Sítio Paraíso das Micro-orquídeas, Fazenda 5 Pedras, Mercado Municipal, Mogi Skate Park, Casarão do Chá, Centro de Cultura e Memória Expedicionários Mogianos, Museu Histórico Profª Guiomar Pinheiro Franco, Casarão da Mariquinha, Pinacoteca de Mogi das Cruzes, Fazenda Rio Grande, Barragem do Rio Jundiaí, Barragem do Rio Biritiba Mirim, Ilha Marabá, Recanto das Águas, Pedra Grande e muitos outros lugares.


Mogi das Cruzes oferece um comércio rico em variedades, além de diversos locais para fazer um lanche ou simplesmente degustar uma boa comida com preços que cabem no bolso, sem exageros, locais simples e confortáveis.

Boa Viagem!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário