Prefira a solidão ao dragão


Marisa Fonseca Diniz




Se você está desesperado porque o final do ano está chegando e não tem ninguém ao seu lado para compartilhar os bons momentos da passagem do ano, siga este conselho: “Prefira a solidão a namorar um dragão.”
É isso mesmo, você não leu errado, dragão é apelido para mulher ou homem muito feio. E feio no caso pode ser tanto de aparência como de cérebro. 

Podemos achar que a sociedade rotula os seres humanos, mas não há nada pior do que ficar com um verdadeiro dragão, pois em geral são pessoas que não possuem absolutamente nada de proveitoso, não são inteligentes, bonitos, prestativos, educados, charmosos, trabalhadores, educados, ou seja, são verdadeiros homens das cavernas.

Corra porque não vale a pena, cospem fogo por onde passam e fazem um estrago danado. Chegam como se não quisessem nada, cheios de estórias para contar apenas para enganar os mais desavisados. Por pior que seja o momento da vida de cada pessoa, o desespero nunca foi a melhor saída para se conseguir alguém para compartilhar os momentos felizes ou tristes, pois em geral a fragilidade faz com que pessoas mal intencionadas se aproximem para tirar proveito de algo.

Assim como acontece nos relacionamentos profissionais, os pessoais não ficam atrás do risco e perigo que se corre com alguém que nada tem a acrescentar, portanto antes de sair à caça de alguém para satisfazer seus desejos, pense na possibilidade de desviar de certas pessoas que podem trazer problemas futuros.

O dragão é um animal que é representado por uma cauda de serpente com garras e asas, uma espécie de lagarto gigante que solta fogo pela boca. Se pensarmos no dragão em sentido figurado vamos perceber que para algumas culturas este réptil pode ter fontes sobrenaturais de sabedoria e força como também pode ser considerado uma fera destruidora, ou seja, pode ter má índole.

A baixa autoestima é uma das principais causas das relações destrutivas, o medo da solidão e a constante cobrança da sociedade fazem com que uma boa parte da população se lance de cabeça em relacionamentos fugazes e sem nenhum tipo de estrutura psicológica. Por isso, muitas pessoas preferem namorar dragões, mesmo sabendo que as consumirá até a alma do que ficarem sozinhas, pois a grande maioria não está preparada para enfrentar a sociedade e muito menos elas mesmas preferindo correr riscos.

Não há nada mais gratificante do que a própria companhia, principalmente quando a pessoa olha para dentro de si e vê que suas ações acrescentam boas coisas na sua vida e na vida dos outros. Saber se preservar e esperar o tempo certo para ter um relacionamento que trará felicidade sem se preocupar com o amanhã é o grande diferencial das pessoas que preferem a solidão aos dragões.

A autoestima elevada nestas horas faz toda a diferença, pois não é qualquer coisa que se ajustará ao lado daqueles que buscam algo a mais do que uma mera companhia, vamos pensar melhor no que estamos fazendo com a nossa vida hoje, para não nos arrependermos amanhã do que deveríamos ter feito, ou seja, excluir em definitivo as opções indesejáveis!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

 Licença Creative Commons
O trabalho Prefira a solidão ao dragão de Marisa Fonseca Dinizestá licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2016/11/prefira-solidao-ao-dragao.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário