Apaga a luz, por favor...


Marisa Fonseca Diniz



Às vezes questiono o que nós escritores fizemos na vida de tão ruim para tropeçar em tanta gente “mala” que aparece no nosso caminho só para atormentar. Fala a verdade como tem gente inútil se achando importante... Quem já passou por situações semelhantes a estas com certeza irá entender perfeitamente o texto.

Os escritores tem facilidade em tirar das experiências diárias lições de vida para passar adiante àqueles que buscam soluções ou identificação de algo, e que necessita clareza de ideias. Muitas vezes a criatividade vai além do imaginável e fica a dúvida do que é ou não ficção. O gatilho perfeito para surgir uma inspiração apropriada à escrita vem de situações diárias e dos sentimentos referente a ela.

Nós escritores muitas vezes sumimos por falta de inspiração, quando não estamos mais preocupados em como se livrar de um problema que nos sufocam e nos deixa extremamente chateados. Porém, quando encontramos a solução e a colocamos em prática, imaginamos na nossa inocência que realmente nos livramos do problema, ledo engano.

Quando pensamos que já vimos de tudo nessa vida, percebemos o quanto há pessoas invejosas e inconformadas com um simples “não” e são capazes de fazer de tudo para denegrir a imagem alheia por meio de falsas acusações e difamação. Fraqueza espiritual ou falta de vergonha na cara? Difícil saber.

Fica a dúvida se estas pessoas se divertem em fazer o mal ou sempre tiveram o hábito de prejudicar os outros pelo prazer de se sentirem fortes perante as adversidades da vida. A falta de bom senso em acreditar que estão acima de tudo e todos as faz crer que estão imunes a qualquer punição.

Uma grande parte das pessoas que agride verbalmente ou cria  situações inusitadas que prejudicam outros possuem baixa autoestima, em geral a inveja é uma das principais consequências dessas ações impensáveis. Todo mundo quer ter o que outro lutou para conquistar, mas ninguém quer pagar o preço.

A situação se torna tão constrangedora à pessoa que é alvo da maldade, que quando o autor da ação é questionado, acaba se embaralhando todo em desculpas, e não percebe que a mentira patológica é uma das principais causas do problema para que tudo na vida do acusador dê errado.

O pior é que a falta de bom senso do indivíduo prejudica mais a ele próprio ao longo do tempo do que as pessoas que são o alvo da ação. Não satisfeitos ainda possuem a petulância de prorrogar os erros, nunca assumindo, e mentindo deslavadamente para quem acreditam que possam cair na lábia, e no final sempre saem de vítimas da história que eles mesmos articulam para chamar a atenção para si.

Ora façam-nos o favor, ninguém deve se sentir tão importante a ponto de achar que atitudes negativas seja a melhor maneira para atrair a atenção ou se tornar popular perante os amigos que julgam necessários ao seu convívio. Quem se acha o último biscoito do pacote é porque não sabe que o último nunca chegará a ser o primeiro, e em geral vem todo estraçalhado, o que faz com que sejam descartados ou sirvam de alimento para os cães.

Quando sentirem prazer em prejudicar alguém que já tem uma carreira estável ou sucesso conseguido a duras penas, pensem no mal que possam reverter a si próprios, pois dificilmente alguém vai acreditar nas mentiras contadas por aqueles que contumazmente têm o hábito de difamarem pessoas pelo simples prazer de fazer o mal.

Ninguém em sã consciência acredita em quem tem uma vida que não sirva de bom exemplo aos outros, a vida de cada um deve ser como um pomar cheio de bons frutos e não de frutas caídas e apodrecidas. Antes de pensarem em como denegrir a imagem de alguém, por favor, apaguem a luz, pensem e mudem o foco, porque as pessoas não vivem em função de ações negativas por estarem muito preocupadas em fazer o bem a quem quer que seja, e investir o tempo no que realmente satisfaz!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Apaga a luz, por favor... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2016/10/apaga-luz-por-favor.html.




2 comentários:

  1. Amei o teu texto, retrata muito bem a nossa realidade atual. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. De fato, a maldade corre solta, e o prazer em prejudicar profissionalmente alguém geralmente tem base em algumas premissas: inveja, ciúme e... o FANTÁSTICO "APAGA A LUZ dessa estrela pois está a ofuscar meu brilho!" ( pura competição egolátrica )

    Ótimo texto!

    ResponderExcluir