Apaga a luz, por favor...


Marisa Fonseca Diniz



Às vezes questiono o que nós escritores fizemos na vida de tão ruim para tropeçar em tanta gente “mala” que aparece no nosso caminho só para atormentar. Fala a verdade como tem gente inútil se achando importante... Quem já passou por situações semelhantes a estas com certeza irá entender perfeitamente o texto.

Os escritores tem facilidade em tirar das experiências diárias lições de vida para passar adiante àqueles que buscam soluções ou identificação de algo, e que necessita clareza de ideias. Muitas vezes a criatividade vai além do imaginável e fica a dúvida do que é ou não ficção. O gatilho perfeito para surgir uma inspiração apropriada à escrita vem de situações diárias e dos sentimentos referente a ela.

Nós escritores muitas vezes sumimos por falta de inspiração, quando não estamos mais preocupados em como se livrar de um problema que nos sufocam e nos deixa extremamente chateados. Porém, quando encontramos a solução e a colocamos em prática, imaginamos na nossa inocência que realmente nos livramos do problema, ledo engano.

Quando pensamos que já vimos de tudo nessa vida, percebemos o quanto há pessoas invejosas e inconformadas com um simples “não” e são capazes de fazer de tudo para denegrir a imagem alheia por meio de falsas acusações e difamação. Fraqueza espiritual ou falta de vergonha na cara? Difícil saber.

Fica a dúvida se estas pessoas se divertem em fazer o mal ou sempre tiveram o hábito de prejudicar os outros pelo prazer de se sentirem fortes perante as adversidades da vida. A falta de bom senso em acreditar que estão acima de tudo e todos as faz crer que estão imunes a qualquer punição.

Uma grande parte das pessoas que agride verbalmente ou cria  situações inusitadas que prejudicam outros possuem baixa autoestima, em geral a inveja é uma das principais consequências dessas ações impensáveis. Todo mundo quer ter o que outro lutou para conquistar, mas ninguém quer pagar o preço.

A situação se torna tão constrangedora à pessoa que é alvo da maldade, que quando o autor da ação é questionado, acaba se embaralhando todo em desculpas, e não percebe que a mentira patológica é uma das principais causas do problema para que tudo na vida do acusador dê errado.

O pior é que a falta de bom senso do indivíduo prejudica mais a ele próprio ao longo do tempo do que as pessoas que são o alvo da ação. Não satisfeitos ainda possuem a petulância de prorrogar os erros, nunca assumindo, e mentindo deslavadamente para quem acreditam que possam cair na lábia, e no final sempre saem de vítimas da história que eles mesmos articulam para chamar a atenção para si.

Ora façam-nos o favor, ninguém deve se sentir tão importante a ponto de achar que atitudes negativas seja a melhor maneira para atrair a atenção ou se tornar popular perante os amigos que julgam necessários ao seu convívio. Quem se acha o último biscoito do pacote é porque não sabe que o último nunca chegará a ser o primeiro, e em geral vem todo estraçalhado, o que faz com que sejam descartados ou sirvam de alimento para os cães.

Quando sentirem prazer em prejudicar alguém que já tem uma carreira estável ou sucesso conseguido a duras penas, pensem no mal que possam reverter a si próprios, pois dificilmente alguém vai acreditar nas mentiras contadas por aqueles que contumazmente têm o hábito de difamarem pessoas pelo simples prazer de fazer o mal.

Ninguém em sã consciência acredita em quem tem uma vida que não sirva de bom exemplo aos outros, a vida de cada um deve ser como um pomar cheio de bons frutos e não de frutas caídas e apodrecidas. Antes de pensarem em como denegrir a imagem de alguém, por favor, apaguem a luz, pensem e mudem o foco, porque as pessoas não vivem em função de ações negativas por estarem muito preocupadas em fazer o bem a quem quer que seja, e investir o tempo no que realmente satisfaz!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Apaga a luz, por favor... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2016/10/apaga-luz-por-favor.html.




Toda história tem dois lados...


Marisa Fonseca Diniz



Ou mais lados, o que não pode é apenas escutar uma única versão da história, pois todos os envolvidos tem sua razão ou culpa, não importa se são fracassos ou vitórias. O importante é sempre agir com paciência em tudo e parar alguns minutos para refletir quem está ou não dizendo a verdade.

Se a situação é conflitante e escuta-se apenas um dos lados corremos o risco de fazer pré-julgamentos errados, pois quem condena, em geral pode estar se sentindo inseguro, angustiado ou simplesmente enraivecido por ter perdido algo. Saiba observar e analisar todas as situações e colocações, pois nem sempre quem se queixa está com a razão.

Relacionamentos sejam pessoais, profissionais ou amorosos em algum momento podem perder o encanto, e nessas horas o melhor a fazer é deixar tudo as claras para que no futuro não aja pendências e nem resquícios de algo que ficou mal resolvido.

Deve-se ter sabedoria em se colocar no lugar do outro, e ver o que pode chatear em um relacionamento, acusar indiretamente alguém por não ter tido paciência ou ter errado, não vai fazer com que negócios sejam fechados, por exemplo. Saber as causas do insucesso dos negócios no decorrer do tempo, pesquisar referências, projetos antigos e ir atrás de empresas lesadas ou que foram bem sucedidas neste campo faz toda a diferença.

Assim como acontece nos negócios é passível de acontecer na vida pessoal, pois todos erram, nem sempre se acerta na primeira. Apague da memória conselhos negativos, pois se fossem bons todo mundo venderia, e não daria de graça. Há muita gente que se diz amigo, mas na hora que mais se precisa de um ombro para se lamentar, caem fora.

Lembre-se, o verdadeiro amigo não sente inveja, se ele tiver que chorar a sua causa, ele vai, não vai ficar furando os olhos e apontando o dedo na cara e dizer que você é um inútil. Amigos são  irmãos do coração, ele compra a sua briga e tenta te ajudar de qualquer maneira, vai atrás da verdade, escuta os lados envolvidos.

Tem muita gente por aí se dizendo amigo, mas na hora que o calo aperta é o primeiro a te largar na rua da amargura. Faça a sua história ser um caminho não de curvas tortuosas, e sim de retas e subidas com objetivo. Saiba que nada é perfeito, que os tropeços podem virar lições para a vida, e que somente você pode decidir o que é melhor para sua vida.

Deixe os pensamentos negativos de lado, recomece quantas vezes for necessário, mas não se junte aqueles que vivem te prometendo sucesso e não fazem nada para te ajudar. Escute a si mesmo, analise e veja se você está tomando as decisões certas para sua vida, se o seu presente não é consequência das atitudes erradas que você fez no passado, mude, queira o seu melhor, se aproxime de pessoas que mesmo rudes possam te acrescentar algo positivo.

Se afaste de tudo aquilo que te leva para trás, trate sua alma, seu corpo e apague todos os pensamentos que não te fazem bem. Se afaste daquilo que te tira do foco, seja humilde acima de tudo e reveja seus conceitos do que é certo ou errado. Saiba perdoar e pedir perdão quando for necessário, saiba ouvir, use a inteligência para seu próprio bem, e fuja de tudo aquilo que atrasa sua vida.

Não se esconda dos problemas, não afunde a sua cabeça na terra achando que é o melhor a fazer, enfrente os problemas de cabeça erguida. Não se acovarde, assuma todos os seus compromissos e seja uma pessoa que se orgulhe de si mesmo, e nunca se deixe enganar por qualquer um dos lados da conversa, do negócio ou do relacionamento!

Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Toda história tem dois lados... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.