Caindo, vivendo e aprendendo...


Marisa Fonseca Diniz



A vida é realmente engraçada, e não é a toa que precisamos refletir bem ao que nos acontece diariamente.  A quantidade de pessoas que entram e saem do nosso caminho faz com que pensamos seriamente qual a nossa real missão neste planeta.

Pessoas carregando bagagens pesadas entram em nossa vida não por acaso, mas sim para nos ensinar a não sermos ou agirmos como elas. A grande maioria não está preocupada em ajudar o próximo, e sim a julgar e condenar. São tantos juízes, que se todos  fossem trabalhar nos fóruns e tribunais, com certeza iria faltar processos para serem julgados.

No dia-a-dia percebemos o quanto o ser humano tem pensamentos imaginativos, cruéis e egoístas, a grande maioria não está interessada em estender a mão para ajudar um doente ou uma pessoa em dificuldades, não, na verdade estão mais preocupadas em arranjar uma boa desculpa para se livrar do peso no qual acreditam que possam carregar, quando na verdade o fardo são elas próprias.

A impressão que se dá é que, as pessoas se revelam muito mais em épocas de crise do que em tempos de bonança. O pior delas aflora de maneira contundente, se fazem de coitadas para conseguirem o que querem, e depois se mostram seres repugnantes descartando os indivíduos como se fossem coisas e não vidas.

Sabe aquela história que a dor, o problema e a dificuldade é sempre pior do que a dos outros? Pois é desta maneira que estas pessoas que consomem nossas energias fazem, porque no fundo elas não passam de pessoas egoístas, orgulhosas e manipuladoras. Quantas vezes algumas dessas mesmas pessoas já não entraram em nossas vidas no passado e nos esnobaram quando estávamos passando por situações ruins e precisávamos de ajuda?  

Saiba que este tipo de pessoa não tem conserto, esnoba, esquece, volta e se faz de coitada para conseguir o que quer, e depois o ciclo continua até conseguir novas vítimas jogando conversa mole, e a vida delas nunca anda, empaca.

O tempo passa e a vida delas continua a mesma, nunca descem do pedestal ou reconhecem que o fracasso delas é consequência das próprias atitudes com os outros.  Quando questionadas sobre algo que não está dando certo na vida são eximias em falar que a situação não é propícia ou os outros que os prejudicam, quando não trazem o próprio lixo da vida delas e tentam dizer que o problema é seu ou da sua cabeça, ou seja, nunca admitem ser uma pedra no sapato de qualquer pessoa, é a tal mala sem alça pesada cheia de pedregulho dentro, que quando rola ladeira abaixo fica esbagaçada.

Portanto, quando aparecerem algumas pessoas desse naipe na vida, observe bem, jogue algumas situações para elas e dependendo da resposta ou ação negativa, exclua-as definitivamente, e se um dia insistirem em voltar como se nada tivesse ocorrido, ignore porque além de não acrescentarem nada na vida, ainda atrapalham.

Não se esqueça, porque lugar de lixo é na lixeira, e não na nossa vida!


 Artigo protegido pela Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. É PROIBIDO copiar, imprimir ou armazenar de qualquer modo o artigo aqui exposto, pois está registrado.

Licença Creative Commons
O trabalho Caindo, vivendo e aprendendo... de Marisa Fonseca Diniz está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível emhttp://cafesonhosepensamentos.blogspot.com/2015/11/caindo-vivendo-e-aprendendo.html.

Nenhum comentário:

Postar um comentário